YOUNG LIVING

Instituto de Pesquisa D. Gary Young

Home  >>  Uncategorized  >>  Instituto de Pesquisa D. Gary Young

Instituto de Pesquisa D. Gary Young

On Fevereiro 1, 2019, Posted by , In Uncategorized, With No Comments
Gary Young e Dr. Michael Buch

Gary Young e
Dr. Michael Buch

O Instituto de Pesquisa D. Gary Young foi fundado em Junho de 2018 para honrar e preservar a visão e os padrões de qualidade do fundador e pai do movimento moderno dos óleos essenciais, Gary Young após seu falecimento em 12 de Maio de 2018. 
A equipa de Pesquisa e Desenvolvimento da Young Living batizou o Instituto com o nome de Gary para honrar a sua memória e o seu legado. O nome serve como um lembrete contínuo de que a visão, o conhecimento e o compromisso de Gary com a qualidade, são incorporados para sempre e totalmente nos esforços de pesquisa e desenvolvimento dos produtos da Young Living.

O nosso compromisso de qualidade Seed to Seal®, especialmente o pilar da Ciência, está enraizado em todos os aspectos do Instituto de Pesquisa D. Gary Young. Desenvolvimento de produtos inovadores, padrões de qualidade e pesquisa rigorosa significam que a ciência é a base do que fazemos na Young Living. A equipa científica do Instituto de Pesquisa D. Gary Young emprega métodos de ponta para desenvolver novos produtos, bem como para ajudar a garantir a qualidade de todos os nossos produtos. Liderada pelo Diretor de Ciência Dr. Michael Buch, a equipa trabalha em laboratórios de última geração com alguns dos equipamentos científicos mais avançados disponíveis.

O Instituto de Pesquisa D. Gary Young ajuda a Young Living a empregar ciência e pesquisa de ponta para desenvolver produtos exclusivos que lideram o setor. Essa equipa, também, realiza pesquisas de ponta para dar suporte a solicitações e usos de produtos. Com pureza e eficácia sendo primordiais para a Young Living, o Instituto de Pesquisa D. Gary Young desenvolve rotineiramente novos métodos de teste para ajudar a garantir a qualidade dos nossos produtos e novas fórmulas. Estes padrões de fórmula de produto permitem apenas óleos essenciais autênticos e puros em fórmulas e produtos.

Nunca permitir que as fórmulas infundidas com óleo incluam parabenos, corantes ou corantes artificiais, nitratos, OGMs ou ftalatos ou que sejam submetidos a testes em animais.  Muitos dos cientistas altamente treinados no Instituto de Pesquisa D. Gary Young trabalharam lado a lado com Gary no laboratório e absorveram sua abordagem, sabedoria e intenções quando se trata de desenvolver novos produtos para a Young Living. No futuro, produtos recém-formulados da Young Living terão um selo do Instituto de Pesquisa D. Gary Young. Este selo é uma garantia de que a tradição de qualidade e inovação de Gary foi mantida plenamente através do desenvolvimento e produção de cada novo produto da Young Living.

A utilização e o conhecimento das propriedades dos óleos essenciais remontam a 4.500 A.C., aproximadamente, onde os egípcios provavelmente foram os primeiros a destilar plantas com o intuito de extrair os seus óleos essenciais, ainda que hoje não se tenha completamente documentado o início realmente exato das extrações. Naquela época, o principal intuito dos egípcios em extrair óleos era usá-los em rituais fúnebres,  para embalsamar os mortos, assim como em cerimónias religiosas, embelezadores de pele, perfumes, pomadas medicinais, etc. Há também relatos da extração de óleos essenciais pelos chineses em 2.700 A. C., no livro sobre ervas mais antigo do mundo, o qual se chama Shen Nung.

Outro uso documentado de óleos essenciais deu-se em 2.000 A.C., em livros escritos em sânscrito, pelos hindus. Já havia, na época, um conhecimento  rudimentar de aparatos de destilação. Com o passar do tempo, os métodos de extração de óleos essenciais diversificaram-se e vêm sendo constantemente aperfeiçoados. O óleo é definido como sendo uma parte do metabolismo de um vegetal composto geralmente por terpenos, compostos encontrados em sementes, flores, folhas, raízes e madeira de plantas superiores assim como em musgos, algas e liquens, que  estão associados ou não a outros componentes. A maioria desses componentes são voláteis e geram em conjunto o odor do vegetal. Físico-quimicamente falando, os óleos essenciais possuem instabilidade à luz, ao oxigênio, à presença de oxidantes, redutores, meios com pH extremos, ou meios traços de metais que podem catalisar reações de decomposição.  A composição química dos óleos essenciais depende de vários fatores, principalmente da origem da planta, por isso cada óleo tem uma composição química específica. Sendo que um óleo essencial pode ser composto por mais de 300 componentes químicos diferentes, o que faz dele um produto bastante valorizado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Translate»