YOUNG LIVING

História da Aromaterapia

Home  >>  Uncategorized  >>  História da Aromaterapia

História da Aromaterapia

On Janeiro 2, 2021, Posted by , In Uncategorized, With No Comments

É uma história milenar que passou por diferentes continentes e se transformou ao longo dos anos.

Origens da Aromaterapia

A história do uso de plantas aromáticas é muito antiga! Foram encontrados indícios, que datam de 7000 a 4000 a.C, de combinação de óleos e plantas aromáticas na região do Vale do Indo, no Paquistão.

Os métodos de tratamento ayurvédicos na Índia falam sobre utilização de águas perfumadas há mais de 5mil anos. Especiarias e plantas eram utilizadas para massagens e banhos relaxantes. 

No Egito Antigo, é famosa a técnica de embalsamento que desenvolveram com plantas aromáticas como mirra, canela, cravo, entre outras.

Era um processo de setenta dias com diferentes essências aromáticas e unções alquímicas feito para preservar faraós e sacerdotes para a entrada no reino dos mortos. 

A extração de compostos vegetais era utilizada também pelos sacerdotes para produção de unguentos medicinais, demonstrando domínio de técnicas de extração de compostos vegetais por infusão e por destilação.   

Muitos deste conhecimentos sobre usos de ervas e óleos essenciais acumulados entre 2551 a 28 a.C foram registrados em papiros e estão hoje expostos em museus, como no Museu de Leipzig, na Alemanha.

Os registro de uso medicinal de ervas e óleos essenciais mais antigos vêm da China. O Ervário de Shen-nung data foi escrito entre 3700 e 2600 a.C, e traz ensaios e análises da composição de extratos de ervas.

Nos tratados encontrados desde período, defendiam que para cada doença havia uma planta que seria seu remédio natural.

A história do uso de plantas aromáticas e extração de óleos essenciais segue pela Babilônia por volta de 1800 a.C, onde táboas com escrita cuneiforme citam 250 ervas e óleos e suas propriedades.

Passa pela Grécia, onde nasce a massagem medicinal e onde muito conhecimento sobre o tema é organizado e transmitido aos romanos. 

O uso de plantas aromáticas e óleos difundiu-se para a região da arábia nos séculos seguintes.

Destaca-se no período das cruzadas a descoberta do processo de destilação com serpentina refrigerada para extrair óleo essencial, pelo médico e filósofo árabe Avicena.

Um grande passo para a produção de óleos essenciais como conhecemos hoje.

Surgimento de Aromaterapia Moderna

A origem do termo “Aromaterapia” vem da década de 1930 na França, no livro do químico francês René-Maurice Gattefossé, para se referir ao uso terapêutico dos óleos essenciais.

Este conhecimento, também, foi amplamente difundido na Inglaterra, onde foi aplicado com maior enfoque no bem-estar e apenas no uso externo, se contrapondo a “aromaterapia francesa”, mais voltada ao uso para tratamentos de saúde.

A enfermeira austríaca Marguerite Maury (1895-1967) é conhecida como a mãe da aromaterapia. A partir de seus estudos sobre óleos essenciais, ela começou a fazer fórmulas específicas para cada pessoa.

Ela escreveu o livro Le Capital Jeunesse (1961), publicado em inglês como The Secret of Life and Youth. E fundou a primeira clínica de aromaterapia em Londres.

Nos anos 70, Robert Tisserand na Inglaterra promoveu e revolucionou a aromaterapia com a publicação de “The Art of Aromatherapy” um livro muito completo para a época, um clássico.

O autor detalhou 29 essências junto com as suas propriedades e aplicações em mais de 100 condições. Incluía remédios rápidos para massagens e óleos medicinais, máscaras faciais e banhos aromáticos.

Robert Tisserand, também desenvolveu uma importante tarefa pedagógica, criando o prestigioso centro de treino “Tisserand Institute”, a partir do qual se formou um grande número de pessoas que atualmente definem as diretrizes da aromaterapia em muitos países do mundo.

Na década de 90, a paisagem do mundo da aromaterapia iria mudar radicalmente.

O aromatologista Pierre Franchomme em conjunto com o médico Daniel Pénoël publicou o trabalho “L’Aromathérapie Exactement”, com muitas informações sobre a química dos óleos essenciais e suas aplicações terapêuticas sem comparação até agora.

Hoje em dia houve um novo ressurgimento do uso de óleos essenciais e o grande interesse destes está na sua grande eficácia e nas suas múltiplas propriedades. Existem mais de 300 óleos essenciais que podem ser usados ​​para fins terapêuticos.

Fontes: https://www.scielo.br/pdf/rbpm/v15n4s1/21.pdf e mamaesencial

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *